Custos de investimentos ficarão maiores com aumento de barreiras comerciais

De acordo com uma nova pesquisa realizada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), o aumento das tarifas, tensões comerciais e de outras barreiras é uma verdadeira ameaça a um dos maiores benefícios proporcionados pela integração comercial, que é o baixo custo de investimento de capital, principalmente para os mercados emergentes no mundo inteiro.

Os dados divulgados pelas notícias foram informados pelo FMI no dia 3 de abril deste ano, sendo que eles fazem parte do relatório intitulado “Perspectiva Econômica Global”. A pesquisa concluiu que os bens de capital e máquinas tiveram seus preços reduzidos dentro dos últimos 30 anos, o que proporcionou maiores ganhos em relação a globalização, maior integração comercial e aumento da produtividade em vários setores da economia mundial.

Com preços reduzidos os investimentos ocorrem mais facilmente, o que contribui para que a expansão econômica aconteça principalmente nos mercados emergentes, que são aqueles com custos de investimento maiores do que os mercados de economias ricas. Grande parte desses custos maiores nos mercados emergentes se deve ao fato da importação de tecnologia, algo que é bastante caro para os países que não produzem tal feito.

O documento também destacou que a substituição de algumas tecnologias tem proporcionado redução de custos, além de estimular outros aspectos positivos, como é o caso da energia elétrica. A substituição das hidroelétricas por energia solar e eólica nos mercados emergentes tem proporcionado redução de custos operacionais. E isso ainda impacta em bons resultados para o meio ambiente, considerando que energia solar e eólica são fontes renováveis de energia.

De acordo com o relatório divulgado, essa redução foi observada fortemente na Colômbia em 2011, quando as reduções tarifárias permitiram um aumento nos investimentos em bens de capital de até 0,4%.

No entanto, desde os anos 2000 que esses efeitos positivos têm diminuído em vários países do mundo, considerando que os ganhos comerciais e de produtividade tem abrandado cada vez mais. É por isso que o relatório do FMI destaca que as barreiras comerciais que vemos atualmente poderão acabar com os baixos custos de investimentos nos mercados emergentes.

“Com barreiras tarifárias cada vez maiores, o fornecimento de produtos entre fronteiras poderá proporcionar ineficiência da produção, assim como retardo e até mesmo uma reversão da tendência de preços de bens de capital mais baixos”, informou o relatório.