Satélite experimental em órbita da Terra captura lixo espacial pela primeira vez

Um dispositivo de limpeza experimental chamado RemoveDebris lançou com sucesso uma rede em torno de um satélite fictício, simulando uma técnica que pode um dia capturar o lixo espacial.

As notícias sobre o teste foram divulgadas no segundo semestre de 2018, e foram bem recebida pela comunidade científica. O teste já é visto como a primeira demonstração bem-sucedida da tecnologia de limpeza de espaço, de acordo com especialistas. O experimento sinaliza um passo inicial para resolver o que já é uma questão crítica: detritos no espaço.

Milhões de pedaços de lixo estão girando em órbita da Terra, o resultado de 50 anos de viagens espaciais e poucos regulamentos para manter o espaço limpo. Em velocidades orbitais, até mesmo uma pequena mancha de tinta colidindo com um satélite pode causar danos críticos. Várias empresas têm planos de enviar milhares de novos satélites para a órbita baixa da Terra, que já é considerada a área mais populosa da órbita.

O experimento RemoveDebris é administrado por um consórcio de empresas e pesquisadores liderados pelo Surrey Space Center, do Reino Unido, e inclui a Airbus, a Surrey Satellite Technology, de propriedade da Airbus, e o Ariane Group, da França.

Guglielmo Aglietti, diretor do Surrey Space Center, disse que uma versão operacional da tecnologia RemoveDebris lançaria uma rede que permaneceria ligada ao satélite principal para que os detritos pudessem ser arrastados para fora da órbita. Essa tecnologia pode ter como alvo grandes pedaços de lixo, incluindo satélites mortos de até 10 metros de comprimento.

Para o teste, no entanto, o satélite fictício e a rede foram deixados em órbita livremente. Então, essencialmente, os especialistas criaram outro fragmento descontrolado. Mas Aglietti disse que o lixo espacial conduzido pela experiência não representará um risco por muito tempo. O experimento foi conduzido em uma órbita muito baixa, de modo que o satélite fictício caísse do céu dentro de alguns meses.

O satélite RemoveDebris realizará mais alguns experimentos nos próximos meses, incluindo testes de recursos de navegação que podem ajudar a guiar o satélite para um fragmento específico. Ele também testará uma tecnologia de arpão que pode capturar satélites gigantescos com uma lança presa a uma corda.

Jonathan McDowell, astrofísico do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, disse que o sucesso deste experimento foi empolgante, mas ele alertou contra o fato de que ainda é cedo para comemorar. “Há dezenas de boas idéias sobre como resolver esse problema, mas o diabo está sempre nos detalhes”, disse McDowell.