Estudo mostra que o modo soneca do despertador pode ser prejudicial a saúde

De acordo com um estudo realizado pela Universidade Victoria em parceria com a Sleep Clinic Services, ativar o modo soneca no despertador pode ser prejudicial a saúde de certa forma. Os pesquisadores responsáveis pelo estudo divulgado no dia em agosto de 2018, são de Brisbane, localizado na Austrália.

Quando uma pessoa acorda pela manhã após ouvir o som do alarme e volta a dormir confiando na função soneca, provoca um tipo de confusão para o cérebro e inércia do sono. Os pesquisadores observam esse fenômeno e o comparam com uma sensação de tontura experimentada pelas pessoas logo ao acordar. De acordo com o estudo, a inércia do sono pode afetar as funções cognitivas de um indivíduo, como a memória, a atenção e a percepção do tempo e do espaço durante um dia todo.

Um outro estudo realizado pelo Hospital Brigham and Women, localizado em Massachusetts nos Estados Unidos, mostrou que a inércia do sono pode acontecer quando o sono de uma pessoa é interrompido durante a madrugada, e ela volta a dormir. Essa interrupção que acontece durante o ciclo de sono profundo é um fator ruim para a saúde a longo prazo. As notícias sobre esse segundo estudo ajudaram os pesquisadores da Universidade Victoria a refinar ainda mais o estudo.

Assim, foi possível observar que quando o modo soneca do despertador é utilizado, acaba gerando um intervalo de inércia entre 10, 15 e 30 minutos na maioria das vezes, o que a longo prazo pode prejudicar as funções cognitivas devido ao período de interferência constante. Quando uma pessoa volta a dormir e é acorda abruptamente logo após 10 minutos de sono, o cérebro tende a se confundir com esses intervalos curtos de sono, fazendo com que uma boa noite de sono não seja o suficiente devido aos intervalos de inércia do sono.

De acordo com os especialistas do novo estudo divulgado, ficou provado que ao colocarmos o corpo para dormir novamente após o despertar do relógio, faz com que o cérebro inicie um novo ciclo de sono, e que ao ser interrompido antes do período ideal de sono, geram efeitos negativos sentidos o dia todo. Com o passar dos anos, esse efeitos negativos tendem a ser mais frequentes podendo estar associado a diversos males das funções cognitivas.