Doença pulmonar mata 3 milhões de pessoas por ano de forma silenciosa

Segundo estimativas apontadas pela OMS – Organização Mundial da Saúde, todo fumante possui 90% de chance de desenvolver a Dpoc – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Além disso, a OMS estima que a maioria dos fumantes nem ao menos sabem desse risco, ou o que a doença pode representar em suas vidas.

A doença pulmonar obstrutiva crônica é caracterizada por uma redução do fluxo de ar que persiste por muito tempo. O quadro do paciente só tende a piorar com o passar do tempo, de um modo que o paciente possa chegar a um quadro agravante, e consequentemente, acabar morrendo pela doença.

Essa doença está fortemente relacionada com quadros de outras doenças que se tornam persistentes, como o enfisema pulmonar e a bronquite. No caso do enfisema pulmonar, o paciente apresenta a destruição dos chamados alvéolos, as estruturas que compõem o pulmão e são responsáveis por controlar o fluxo de ar que entra no órgão. Em relação a bronquite, o paciente apresenta uma inflamação que pode ser aguda ou crônica nas vias aéreas e ainda acaba produzindo um muco característico da doença.

Embora as doenças estejam relacionadas entre si, o principal causador dessas e de muitas outras doenças é o cigarro. Mas o risco não é apenas para os fumantes ativos, ou seja, aqueles que fumam diretamente. Segundo alguns especialistas o fumante passivo também é prejudicado com os níveis de toxidade do cigarro.

Além do cigarro, a exposição a diversos outros tipos de fumaça também é prejudicial e pode levar ao desenvolvimento da Dpoc. Um exemplo disso são as pessoas que trabalham perto de fornos de lenha, ou ainda em carvoarias.

A doença ainda possui outro lado negativo: ela é silenciosa. Segundo a instituição especializada na doença, Fundepoc, 80% de todas as pessoas que têm a Dpoc nem ao menos sabe disso. Isso porque a doença é silenciosa, e quando realmente é notada, está em um estágio muito avançado.

Os especialistas alertam que a Dpoc não pode ser curada através de medicamentos ou tratamentos alternativos. Anualmente, aproximadamente 3 milhões de pessoas morrem por causa da doença, segundo os dados levantados pela OMS. O mau já atinge um total de 384 milhões de pessoas no planeta.